Logo da República do Brasil - Justiça Federal da 5ª Região
Link do Tribunal Regional Federal da 5ª Região
Imagem do Portal da Justiça Federal

JFPE nega pedido de liminar para que moradores de Fernando de Noronha tenham prioridade na vacinação contra Covid-19

30/03/2021 às 12:20:00

O juiz federal titular da 6ª Vara da Justiça Federal em Pernambuco - JFPE, Hélio Ourém, negou, ontem (29), o pedido de liminar em ação civil pública ajuizada pela Associação Noronhense dos Pescadores, que pretende que o Ministério da Saúde enviasse vacinas contra a Covid-19 em número suficiente para a imunização da população de Fernando de Noronha, em sua integralidade ou em proporção que alcance a população economicamente ativa. A autora objetiva com a ação que os moradores do Distrito de Fernando de Noronha fossem considerados como grupo prioritário em relação ao Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a COVID-19, com a vacinação imediata dos seus moradores.

Entre as alegações da Associação Noronhense dos Pescadores, a de que o Distrito “se encontra a uma distância de 540 km da costa pernambucana, e convive com variados entraves de logística, com limitações estruturais inerentes à realidade do local”.  Também foi citado que Fernando de Noronha “conta unicamente com uma unidade de atendimento, em que os pacientes são estabilizados e encaminhados para Recife para hospitais de referência, por meio de Tratamento Fora do Domicílio, mediante a utilização de avião de salvamento aéreo, que possui limite de quantitativo de pacientes embarcados, e alto custo”, entre outros argumentos.

Ao se manifestar, a União argumentou, afirmando, entre outros motivos, que o Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a COVID-19 está na 5ª edição, cuja eleição dos grupos prioritários seguiu critérios técnicos, de acordo como nível exposição ao vírus e com o risco de complicações decorrentes de sua infecção, como é o caso das pessoas com mais de 60 anos. De acordo com a União, “o Poder Judiciário não possui a expertise necessária para concluir quais os critérios que devem ser adotados pela Administração Pública para definir os grupos prioritários da vacinação, que é política pública, elaborada de modo estritamente técnico, de forma discricionária”.

“No caso vertente, o Ministério da Saúde utilizou-se critérios científicos para a fixação da população que integraria a universalidade prioritária à vacinação, inclusive levando em consideração os comandos constitucionais quanto as populações em situação de vulnerabilidade a merecer maior atenção. Entendo, salvo melhor juízo, que submeter tal situação a possível ingerência poderia causar violação aos princípios da igualdade, impessoalidade e universalidade, o que não autoriza a pretensão veiculada pela parte ora Autora”, afirmou o juiz federal Hélio Ourém.

Para o magistrado, “tratando-se de ato administrativo discricionário do Poder Público, descabe ao Poder Judiciário qualquer ingerência, sob pena de violação ao princípio da separação dos poderes (CF/88, art. 2º). Não cabe ao Judiciário a substituição dos demais poderes integrantes da moldura federativa”. Clique aqui e leia a decisão na íntegra.

Processo: 0805532-37.2021.4.05.8300


Autor: Assessoria de Comunicação da JFPE

Pin It

 Imprimir 

Top

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.