Logo da República do Brasil - Justiça Federal da 5ª Região
Link do Tribunal Regional Federal da 5ª Região
Imagem do Portal da Justiça Federal
i

Destaque

Em funcionamento desde junho de 2019, a Autogestão em Saúde do Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região (TRT6) já acumula excelentes práticas de gestão. Por essa razão, mais um encontro - dessa vez virtual - foi promovido, na tarde de ontem (9), entre o TRFMED e a Autogestão do órgão trabalhista, por intermédio do diretor Renatto Pinto. Durante o encontro, a equipe do TRFMED fez questionamentos e apresentou cenários de trabalho, que incluem o mercado de planos de saúde, que foram comentados pelo diretor do TRT6, para que suas ideias e experiências contribuam para a estruturação do projeto do TRF5.

Durante o encontro, Renatto Pinto reforçou a importância do auxílio de uma assessoria técnica atuarial para acompanhar os gastos despendidos pela Autogestão em Saúde, inclusive, porque esse controle pode permitir reajustes menores das mensalidades. Não à toa, o TRF5 contratou, no mês de maio, a FV Planner Consultoria, que vem realizando esse trabalho junto à equipe da Autogestão em Saúde. “Permitir a entrada de netos e sobrinhos dos titulares, por exemplo, é uma maneira de oxigenarmos o Plano. E um estudo atuarial é bom para o gestor ficar tranquilo”, destacou.

Caso de sucesso - Atualmente com 3.800 beneficiários, o TRT6 iniciou o credenciamento de sua rede própria em 28 de novembro de 2019 e, hoje, já tem contratos firmados com o Hospital Português e o Santa Joana, por exemplo. Inclusive, Renatto Pinto destacou que essa é uma das estratégias para baratear os custos da Autogestão, além das medidas de prevenção, como cuidados com pessoas com doenças pré-existentes e gerenciamento de pacientes crônicos, de modo a reduzir necessidades de internamentos. “A auditoria médica também é muito importante, porque domina o mercado de saúde e auxilia a equipe de projetos", sugeriu.

(Com informações do Setor de Comunicação e Marketing da Autogestão)

Descrever as atividades de rotina de cada setor, indicar seu tempo estimado de execução e as formas de controle das tarefas são apenas alguns dos objetivos de um Plano de Operações, que é uma ferramenta fundamental para garantir a continuidade da prestação de serviços. E este tem sido um instrumento importante para a equipe da Autogestão em Saúde, com o qual cada integrante da Equipe de Projeto do TRFMED colabora, permanentemente, fornecendo elementos para a consolidação do documento e da estrutura do Projeto, dentro da sua respectiva área de competência.

Segundo a servidora responsável pela gestão do trabalho, Michele Azoubel, o Plano de Operações deverá assegurar o funcionamento contínuo dos serviços, seja em caso de férias, afastamentos ou, até mesmo, nos casos de trocas de servidores. Desse modo, o Plano de Operações possibilita a qualquer pessoa assumir uma tarefa, seguindo os passos previamente registrados em um documento. Para Azoubel, pensar em como será a rotina de operações do TRFMED não apenas é desafiador, mas também, gratificante. "É uma tarefa muito importante, pois envolve a definição de processos que afetam todas as áreas da equipe, tendo em vista o melhor atendimento, também, aos nossos futuros beneficiários", frisou. 

Estrutura - O Pleno TRF5 aprovou, durante a sessão do colegiado do último dia 27, a Resolução nº 7, que trata da estrutura organizacional do plano de saúde TRFMED, no âmbito do Tribunal. A norma determina que o TRFMED ficará vinculado à Presidência da Corte e terá em sua estrutura a Diretoria Executiva de Autogestão em Saúde, a Assessoria de Gestão, o Setor de Planejamento e Saúde, o Setor de Gestão de Comunicação e Marketing, o Setor de Atendimento aos Beneficiários, o Setor de Gestão de Contratos e Credenciamentos e o Setor de Gestão Orçamentária e Financeira. A expectativa é de que o Programa de Saúde entre em operação em agosto desse ano.

Por: Divisão de Comunicação Social do TRF5 

 

As medidas de isolamento social para conter a propagação do novo coronavírus suspenderam, desde março, o atendimento presencial nas unidades da Justiça Federal em Pernambuco – JFPE, mas a rotina de trabalho teve que ser reajustada. Além dos sistemas eletrônicos facilitarem o teletrabalho, a colaboração entre juízes federais e servidores permitiu também a resolução de demandas. É o caso da 15ª Vara Federal (Juizado Especial Federal) do Recife, que contou, no mês de maio, com o auxílio dos juízes federais da 31ª Vara Federal (Caruaru), Marcos Saraiva e Katherine Carvalho. Os dois magistrados trabalharam em auxílio ao juiz federal Jaime Sarinho. Durante todo o mês, foram proferidas 774 sentenças.

Os juízes federais Marcos Saraiva e Katherine Carvalho auxiliaram os trabalhos sem prejuízo da jurisdição no âmbito da 31ª Vara Federal. No mesmo período, os dois magistrados juntos proferiram 405 sentenças na vara de Caruaru. Os números da produtividade são expressivos, ao final do período de auxílio, mais de 1.100 processos foram julgados nas duas varas.

A Presidência do Tribunal Regional Federal da 5ª Região - TRF5instituiu, hoje (3), por meio do Ato Nº 222/2020, grupo de trabalho voltado à implementação e acompanhamento do retorno gradual às atividades presenciais no âmbito daquela Corte e das Seções Judiciárias vinculadas. Integram o grupo, os juízes federais da JFPE, Frederico José Pinto de Azevedo e Joana Carolina Lins Pereira, esta última atualmente auxiliando a Presidência do TRF5. De acordo com o Ato do TRF5, os integrantes deverão se reunir periodicamente e, preferencialmente, por videoconferência, para planejar e adotar as medidas necessárias ao retorno às atividades presenciais, observando o disposto na Resolução nº 322, de 1º de junho de 2020, do Conselho Nacional de Justiça, as recomendações do Ministério da Saúde e das Secretarias de Saúde, bem como os decretos estaduais quanto à programação de retomada gradual dos serviços.

A Seção Judiciária de Pernambuco já se antecipou e, em reunião realizada na tarde de ontem (2), por videoconferência, trataram das medidas que serão implantadas com vistas ao retorno das atividades presenciais. De acordo com o diretor do Foro, “embora ainda não tenha data prevista para a volta, a SJPE já vem trabalhando de forma planejada e com antecedência, para que sejam garantidas a segurança e saúde de todos os que trabalham e utilizam os serviços da Justiça Federal em Pernambuco”. Clique aqui e leia o Ato Nº 222/2020 na íntegra.

Dando continuidade aos trabalhos de realização da inspeção ordinária anual, segue a relação das varas da Justiça Federal em Pernambuco (JFPE) que promovem suas inspeções  neste mês de junho. 

A partir desta segunda-feira (1º), até o dia 5 de junho, a 11ª, 13ª e 34ª Varas realizam suas inspeções. De 8 a 12 de junho, será a vez da 27ª e 36ª Varas, seguidas pela 8ª, 18ª e 35ª Varas, que farão a inspeção de 15 a 19 de junho. Finalizando o cronograma do mês, a 23ª Vara inicia a inspeção no dia 29 de junho que se estende até 3 de julho. 

Durante o período, não será interrompida a distribuição de processos nem serão concedidas férias aos servidores das varas durante a vistoria.

Na ocasião, cada magistrado deverá verificar se a secretaria vem cumprindo as atribuições previstas nas leis, se não há processos irregularmente parados, se os atos, despachos, ordens e recomendações dos juízes, da Direção do Foro, da Corregedoria Regional e do Tribunal estão sendo cumpridos, entre outras obrigações.

 As inspeções acontecem em cumprimento à Lei nº 5.010/1966 e aos artigos 1 a 16 da Consolidação Normativa da Corregedoria Regional da Justiça Federal da 5ª Região, contará com participação do Ministério Público Federal (MPF) e com a ciência da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

Top